a
© 2020 Agência Difusão.
HomeArtigosCOMO CONHECI WISLAWA SZYMBORSKA

COMO CONHECI WISLAWA SZYMBORSKA

WISLAWA SZYMBORSKA

COMO CONHECI WISLAWA SZYMBORSKA

COMO CONHECI WISLAWA SZYMBORSKA

Em determinado momento do espetáculo teatral “Nós”, do grupo Galpão, dirigido por Marcio Abreu em 2016, o ator Paulo André abria um livro e lia um poema chamado “Agradecimento”:

“Devo muito aos que não amo/o alívio de aceitar que sejam mais próximos de outrem.”

Ao final da representação, o público era convidado a ir ao centro da arena dançar e confraternizar com o elenco. Aproveitei a oportunidade para espiar a capa do livro que restava sobre um dos móveis do cenário. Anotei mentalmente o difícil nome da autora: Wislawa Szymborska.

“A alegria de aceitar não ser eu o lobo de suas ovelhas.”

Pesquisando depois em casa, desnudei com os olhos os versos que ouvira.

“A paz que tenho com eles e a liberdade com eles/isso o amor não pode dar nem consegue tirar.”

Passei a repeti-los em voz alta – modo de apropriar-me de sua beleza e lucidez.

“Não espero por eles andando da janela à porta/Paciente, quase como um relógio de sol/entendo o que o amor não entende/perdoo o que o amor nunca perdoaria/Do encontro à carta não se passa uma eternidade, mas apenas alguns dias e semanas.”

Voltei a reencontrar outros poemas de Wislawa num espetáculo de dança do grupo Quasar e num show de Letícia Novais e Ana Cláudia Lomelino. Todos igualmente impactantes e precisos.

“As viagens com eles são sempre um sucesso/os concertos assistidos/as catedrais visitadas/as paisagens claras/E quando nos separam sete colinas e rios/são colinas e rios bem conhecidos nos mapas.”

Resolvi plagiar o Galpão e incorporei “Agradecimento” ao texto de uma peça que escrevi e que foi encenada num apartamento com o público a um palmo dos atores.

“É mérito deles eu viver em três dimensões/num espaço sem lírica e sem retórica/com um horizonte real porque móvel.”

Lamentavelmente, o ator, confundindo alta poesia com batatinha-quando-nasce-se-esparrama-pelo-chão, debulhava-se em lágrimas ao lê-lo. Não porque estivesse de fato emocionado, mas para exibir sua técnica. Pedi, implorei: por favor, este poema não pede choro. É uma lírica seca.

“Eles próprios não veem quanto carregam nas mãos vazias.”

Não adiantou: o ator passou a temporada chorando.

“Não lhes devo nada – diria o amor sobre essa questão aberta.”

Rodrigo Murat é escritor.
rodrigo murat
Imagem:Issuu

Share With:
Rate This Article
No Comments

Leave A Comment