a
© 2020 Agência Difusão.
HomeEconomiaAIRBNB DEVE ABRIR SEU CAPITAL NA BOLSA DE VALORES

AIRBNB DEVE ABRIR SEU CAPITAL NA BOLSA DE VALORES

airbnb

AIRBNB DEVE ABRIR SEU CAPITAL NA BOLSA DE VALORES

Um dos unicórnios mais famosos do mundo – e um dos mais afetados pela pandemia do coronavírus – deve fazer seu IPO. Na próxima semana, o Airbnb vai à bolsa.

Apesar da oferta inicial ser esperada há muitos meses, seu timing pegou muita gente de surpresa, já que o setor do turismo foi um dos mais afetados pela crise sanitária global.

Mas os executivos do Airbnb, startup fundada em 2008 que transformou todas as casas em potenciais hotéis e revolucionou o segmento do turismo, acreditam que a empresa está bem posicionada para a retomada que se desenha no horizonte.

E o apetite dos investidores por ofertas iniciais parece grande. Além do Airbnb, diversas outras startups do setor de tecnologia devem abrir o capital nas próximas semanas.

O Airbnb anunciou que o preço da ação deve ficar entre US$ 44 e US$ 50. O valor será definido na quarta-feira (9), e as ações começam a ser negociadas no dia seguinte. A expectativa é que a empresa seja avaliada em US$ 35 bilhões.

No prospecto da oferta, a empresa afirma estar confiante nas perspectivas futuras. “Acreditamos que as fronteiras entre viajar e morar estão desaparecendo, e a pandemia acelerou a possibilidade de morar em qualquer lugar.”

Além disso, a companhia afirma que as pessoas usarão a plataforma como uma maneira de obter rendimentos adicionais, alugando quartos ou casas inteiras.

Mas essa é uma visão para o futuro. No presente, os números de 2020 do Airbnb mostram um encolhimento brutal do negócio.

Nos primeiros nove meses do ano, a empresa teve receita de US$ 2,5 bilhões, uma redução de US$ 1,2 bilhão em comparação com o mesmo período do ano passado.

A startup, porém, agiu de forma rápida e decisiva para se adaptar à nova realidade das viagens – e da vida – num mundo tomado pelo medo da Covid-19.

Com as restrições de viagens internacionais e o medo de entrar num avião, e também por causa do isolamento forçado, as pessoas começaram a buscar destinos mais próximos de suas casas.

Os primeiros sinais surgiram em maio. No mês seguinte, a empresa reformulou seu algoritmo para sugerir opções menos distantes. Em julho, o volume de reservas já tinha voltado aos níveis pré-pandemia – embora com um perfil diferente.

“Não sabia que teria de tomar dez anos de decisões em dez semanas”, disse Brian Chesky, fundador e CEO do Airbnb, numa entrevista recente ao The Wall Street Journal.

A agilidade da empresa diante de uma ameaça potencialmente mortal ao negócio foi o que permitiu que o Airbnb seguisse adiante com o IPO.

Mas a adaptação à nova realidade não foi indolor. Em maio, a companhia demitiu 1.900 funcionários, um quarto de seu pessoal. Projetos para expandir o negócio para o transporte aéreo, por exemplo, foram temporariamente interrompidos.

E a empresa ainda é deficitária. Segundo as informações registradas na Bolsa, o Airbnb teve prejuízo de US$ 1,4 bilhão em 2019 e de US$ 2,1 bilhões até 30 de setembro deste ano.

Compartilhar com:
Avalie este artigo

redacao@agenciadifusao.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário