a
© 2020 Agência Difusão.
HomeArtigosTOM ZÉ 85

TOM ZÉ 85

Tom Zé

TOM ZÉ 85

Tom Zé completa neste mês de outubro 85 anos. Ganha homenagem do Museu da Língua Portuguesa com o curta “Línguas em Trânsito: Tom Zé”, onde o artista baiano revela, entre outras curiosidades, que seu primeiro LP – “Grande Liquidação” – de 68, foi inspirado no filme de Luís Sérgio Person – “São Paulo S.A.” –, e que sua música “Augusta, Angélica e Consolação”, é um “arrastão estético” na obra de Adoniran Barbosa – aquele que, nas palavras do homenageado, melhor soube retratar São Paulo em canções.

Demorei a me aprofundar na obra de Tom – não o Jobim, o Zé, este de que estamos aqui falando, e que é quase um Jobim ao avesso, travesso, travessão ponto-e-vírgula, e que na certidão atende pelo nome popular de Antônio José Santana Martins. (Agora sim, meu texto-sujeito alça-se à altura do tema-objeto. Para falar de TZ, é preciso sair do chão e dar pirueta.)

Só fui prestar atenção em TZ no final dos anos 90, quando ele compôs as trilhas dos espetáculos “Parabelo” e “Santagustin” para o Grupo Corpo. Era um período em que todo setembro eu ia ao teatro Municipal conferir a nova dança de Rodrigo Pederneiras e seus bailarinos, e invariavelmente voltava para casa com o CD do espetáculo debaixo do braço. “Santagustin” tem uma capa de pelúcia rosa, e é de arrepiar ouvir Tetê Espíndola cantando em agudo altíssimo no coro descabelado das Mulheres Épicas:

“Na Inglaterra/o choro destronou um rei/que por sua paixão/abandonou o trono e a lei/Até Santo Agostinho/por amor foi sua presa/E Deus, para esperá-lo/Assistiu muita proeza”

Anos depois, encontrei num camelô de calçada da Praia de Botafogo dois álbuns de TZ reunidos num único CD ao preço módico de 6 reais – “Se o Caso é Chorar” e “Estudando o Samba”. Já tinha na estante o seu “Estudando a Bossa Nova”, e anos depois compraria o “Vira Lata na Via Láctea”. (Se você nunca ouviu TZ, vá de leve, sua obra poderá soar cerca elétrica e jogá-lo longe. Recomendo os citados neste parágrafo – mais palatáveis e tonais.)

Há uns três anos atrás, assisti ao show-concerto-apocalíptico “Canções Eróticas de Ninar” e saí, como todos, estarrecido com o vigor cênico do octogenário. TZ no palco é uma criança, um clown, um cientista maluco que acaba de descobrir a fórmula da curiosidade e a cada acorde grita Eureca. Quando cantou “Por Baixo”, uma espectadora afoita ejetou-se da cadeira e foi para o meio do palco abraçar o músico e dançar desengonçadamente com a banda.

A letra da música não fez por menos:

“Por baixo do vestido: a timidez/baixo da timidez: a seda fina/Baixo dela: uma nuvem de calor/Baixo desse calor: um perfume da China/E por baixo do cheiro: a rede elétrica/Baixo da rede elétrica: os pelos/E por baixo dos pelos: as estradas/Que conduzem nos fios os teus arrepios/Manifestos em ois! e uis! e ais!/Lá onde a razão não chega mais/E por baixo de tudo/O mundo fica mudo/E a tua franqueza toda nua/Que se veste de luxo em pele crua.”

Gal, que namorou TZ, gravou esta canção no disco “Estratosférica”.

Recentemente, li a biografia “O Último Tropicalista”, escrita em italiano por Pietro Scaramuzzo, e que ano passado foi lançada no Brasil pelas Edições Sesc. Agora termino “Tropicália Lenta Luta”, lançado no início dos anos 2000 pela PubliFolha e que reúne textos assinados por TZ, letras das canções, e um bate-papo com Luiz Tatit e Artur Nestrovski, do qual retiro um trecho:

LUIZ TATIT – Naquele momento, finalzinho dos anos 60, houve uma confluência de fatores, claro: o Tropicalismo e você tinham interesse em música nova, tinham pontos em comum. Tinham tido formação de vanguarda e tudo isso, mas não tinham os mesmos propósitos, os projetos eram diferentes. Então, não creio que seja interessante esse vínculo tão crucial entre Tom Zé e o Tropicalismo.

TOM ZÉ – É verdade.

LUIZ TATIT – Seu projeto era outro, tanto que apareceu depois. Teve uma fase de incubação mais longa, mas apareceu depois. O que você acha?

TOM ZÉ – Acho perfeito; e nunca tinha pensado assim. Até para minha psicanalista vai ajudar muito.”
_______
O curta-metragem “Línguas em Trânsito: Tom Zé” está disponível no YouTube.

Rodrigo Murat é escritor
Rodrigo Murat

Imagem: Keiny Andrade/ Folhapress

Share With:
Rate This Article
No Comments

Leave A Comment