a
© 2020 Agência Difusão.
HomeMundoSENADORES FAZEM SABATINA EM WENDY SHERMAN

SENADORES FAZEM SABATINA EM WENDY SHERMAN

Wendy Sherman

SENADORES FAZEM SABATINA EM WENDY SHERMAN

Os senadores dos EUA bombardearam a nomeação do presidente Joe Biden para ser a segunda autoridade do Departamento de Estado com perguntas sobre o Irã na quarta-feira, um sinal de que ela enfrentaria dificuldade para obter o apoio dos republicanos, mesmo quando alertou contra a “nostalgia” pelo acordo nuclear com o Irã que ajudou corretor.

Wendy Sherman, que ajudou a negociar o acordo internacional em 2015, prometeu uma nova abordagem ao Irã em sua audiência de confirmação do Comitê de Relações Exteriores do Senado.

O acordo de 2015, que visa impedir que Teerã adquira armas nucleares, foi ferozmente contestado por republicanos e alguns democratas, incluindo o senador Bob Menendez, que agora é o presidente do comitê. O ex-presidente republicano Donald Trump retirou-se do pacto em 2018.

Sherman disse que não esperava que o governo Biden democrata repetisse a abordagem ao Irã do ex-presidente Barack Obama, de quem Biden era vice-presidente.

A abordagem de Biden deve “ser decidida pelos méritos de onde estamos hoje, não pela nostalgia do que poderia ter sido”, disse ela.

O mundo mudou desde 2016, quando o negócio foi implementado, disse Sherman. “Os fatos locais mudaram, a geopolítica da região mudou e o caminho a seguir deve mudar da mesma forma”, disse ela.

Sherman disse não saber qual seria a política definitiva do governo para o Irã, mas ressaltou que Biden está determinado a não permitir que o Irã obtenha uma arma nuclear.

“O Irã está muito longe de cumprir (com o acordo nuclear), como bem sabemos”, disse ela.

Menendez disse que embora apoiasse a decisão do governo Biden de se envolver com o Irã, qualquer política precisava de apoio bipartidário para ter sucesso.

O senador Jim Risch, o principal republicano do painel, também pediu uma política bipartidária e disse que se opõe a um retorno ao pacto nuclear.

Sherman foi conselheira do Departamento de Estado de 1997 a 2001, quando também foi coordenadora de políticas para a Coreia do Norte. De 1993 a 1996, ela atuou como secretária de Estado assistente para assuntos legislativos.

Vários democratas do comitê disseram que esperam apoiar a nomeação de Sherman, mas não está claro quanto apoio ela receberá dos republicanos. Ela pode ser confirmada sem o apoio republicano, já que os democratas controlam o Senado.

A audiência também considerou um dos conselheiros de política externa de longa data de Biden, Brian McKeon, como Secretário de Estado Adjunto para Gestão e Recursos. McKeon, que foi elogiado por senadores de ambos os partidos, atuou como advogado do comitê quando o então senador Biden era seu presidente.

Reportagem de Patricia Zengerle; reportagem adicional por Humeyra Pamuk; edição por Sonya Hepinstall
Fonte: Reuters
Imagem:REUTERS/Denis Balibouse

Compartilhar com:
Avalie este artigo

redacao@agenciadifusao.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário