a
© 2020 Agência Difusão.
HomeArtigosOS STRULDBRUGS NÃO MORREM JAMAIS

OS STRULDBRUGS NÃO MORREM JAMAIS

karaokê

OS STRULDBRUGS NÃO MORREM JAMAIS

OS STRULDBRUGS NÃO MORREM JAMAIS

Os struldbrugs vivem na ilha de Luggnagg e são criaturas imortais. Nascem com uma pinta vermelha na testa, que vai mudando de cor ao longo da vida – se é que dá pra chamar de vida uma coisa que não finda – e saíram da mente brilhante de Jonathan Swift. Nascido em 1667 em Dublin, Swift é autor do ensaio de belo título “Modesta Proposta Para Impedir Que Os Filhos dos Pobres na Irlanda Pesem Sobre os Seus Pais ou Sobre o País, Tornando-os Úteis ao Público”.

Os struldbrugs aparecem na quarta parte de “As Viagens de Gulliver”, escrito em 1726, e até hoje pairando como um dos pilares da literatura mundial. Sobre Luggnagg, o autor esclarece:

Nação feliz, que se extasia em tantos exemplos vivos da virtude antiga, e tem mestres prontos a instrui-lo na sabedoria de todos os séculos passados! Incomparavelmente mais felizes, porém, são esses excelentes struldbrugs que, isentos da calamidade universal da natureza humana ao nascer, têm livre e despeado o espírito, sem o peso e o desalento provocado pela contínua apreensão da morte.

Em texto de 1887, Rui Barbosa aponta:

Não é exato que ele, Swift, quisesse desfear e vilipendiar a ideia de imortalidade. (…) Os strudlbrugs, que Gulliver encontra na ilha de Luggnagg, representam, não a imortalidade do espírito, mas a caducidade da velhice humana. Esmagado sob o desmoronamento de todas as suas ilusões, rodeado pelos túmulos de quase todos os seus amigos, oprimido sob o peso de uma decadência que ele sentia ameaçar-lhe o órgão da razão, Swift via nos cabelos brancos uma coroa de miséria e na última idade da vida a maior de todas as nossas agonias.

A imortalidade é um tema caro aos nossos pensamentos. Pano de fundo de toda e qualquer ideia, pressentir-se fora desse esquema já conhecido, e de certa forma decifrado, que é o estar vivo, assusta e nos priva de sentido. Preencher um buraco com uma ideologia, ser no lugar do não-ser – esta é a questão. E dá-lhe Nietzsche, Kant, Kardec.

O próprio passar do tempo, que deveria ser leve por seu caráter lento e imperceptível, nos enche de medo e remorso, e não é incomum que terminemos o dia com vontade de querer voltar atrás e retocar aqui e ali o que para sempre estará inalterado. O destino fixa-se no passado como projeção ao futuro.

Talvez por isso se fotografe tanto – uma maneira de duplicar o instante, tentativa vã de reter o fluxo dos acontecimentos. Tudo é digno de registro: a lua cheia, o arco-íris, gaivotas na areia disputando um peixe. A tecnologia possibilitou esse drive B para que nos salvemos fora da caixa.

Há uma antiga canção que não envelhece – “Forever Young”, do grupo alemão Alphaville – que diz: “Você realmente quer viver eternamente?/Cedo ou tarde eles irão partir/Por que eles não permanecem jovens?/É tão difícil ficar velho sem um motivo/eu não quero perecer como um cavalo moribundo/a juventude é um diamante ao sol e diamantes são eternos.

Não é alta literatura, mas como bijuteria pop funciona. Liguemos o karaokê. Viver distrai e espanta.

Texto: Rodrigo Murat é escritor

rodrigo murat

Imagem de 政徳 吉田 por Pixabay

Compartilhar com:
Avalie este artigo

redacao@agenciadifusao.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário