a
© 2020 Agência Difusão.
HomeCiênciaÓLEO DE TUBARÃO COLOCA ESPÉCIE EM RISCO

ÓLEO DE TUBARÃO COLOCA ESPÉCIE EM RISCO

tubarão

ÓLEO DE TUBARÃO COLOCA ESPÉCIE EM RISCO

Uma quantidade enorme tubarões, em torno de 500 mil poderão ser mortos para a fabricação de vacinas contra a Covid-19.

Os tubarões produzem um óleo no fígado, conhecido como esqualeno, que é utilizado no desenvolvimento de muitas das vacinas que estão sendo criadas para combater o coronavírus. ( segundo a SKY News)

O esqualeno é uma substância a que a medicina e a estética já utilizam há algum tempo, sendo que no caso de uma vacina contra vírus, este ingrediente é especialmente utilizado pois aumenta a eficácia do tratamento.

Por exemplo, detalha o órgão de comunicação britânico, a farmacêutica inglesa GlaxoSmithKline usa atualmente este óleo nas suas vacinas contra a gripe.

Segundo a associação norte-americana Shark Allies, para se obter uma tonelada de esqualeno são necessários três mil tubarões e para toda a população mundial receber uma dose da vacina contra a Covid-19 será necessário matar cerca de 250 mil destes animais marinhos. Para duas doses, serão necessários meio milhão de tubarões e assim consequentemente.

Para garantir que os tubarões não se tornam numa espécie em vias de extinção devido a esta vacina, cientistas estão testando uma alternativa ao esqualeno, uma versão sintética feita através de uma fermentação da cana de açúcar. Contudo, ainda não há uma solução.

“Há tantas dúvidas sobre a dimensão e quanto tempo demorará esta pandemia, que se continuarmos a usar tubarões, o número de tubarões que usaremos para combater este vírus poderá ser muito alto, ano após ano”, alertou Stefanie Brendl, fundador e diretor executivo da Shark Allies, recordando que, atualmente, estima-se que três milhões de tubarões sejam mortos todos os anos devido ao esqualeno.

Os peritos mostram-se preocupados com o aumento da procura do oléo do fígado dos tubarões e temem que a necessidade de esqualeno leve à extinção de algumas espécies destes animais marinhos, cujo algumas já estão em risco de desaparecer.

Compartilhar com:
Avalie este artigo

redacao@agenciadifusao.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário