a
© 2020 Agência Difusão.
HomeTurismoÉ ÓTIMO PODER ESTAR EM QUALQUER LUGAR

É ÓTIMO PODER ESTAR EM QUALQUER LUGAR

Trabalhar e estudar

É ÓTIMO PODER ESTAR EM QUALQUER LUGAR

É ÓTIMO PODER ESTAR EM QUALQUER LUGAR

Boa parte do público jovem, entre 18 e 35 anos, aproximadamente, quando busca por um programa de intercâmbio, preferem destinos onde é possível estudar e trabalhar (Estudar e trabalhar no exterior | Blog FYI Intercâmbios (fyi-intercambios.com.br))

Durante a consultoria falamos sobre esses destinos com esses jovens candidatos a intercâmbio, disponibilizamos opções, refinamos informações para encontrarmos o melhor destino para este cliente. Essa definição se utiliza de alguns critérios como condições de ter ou estar apto a conseguir visto, valor disponível para investimento, se vai sozinho ou com a família e mais uma série de itens que nós consultores de intercâmbio nos baseamos para indicar essa ou aquela opção como adequada ao perfil do futuro intercambiário.

Alguns desses jovens buscam por opções onde conseguem um trabalho para se manter durante o intercâmbio e, para ser sincera, com a alta das moedas estrangeiras e desvalorização do real já tem até gente conseguindo ajudar financeiramente a família no Brasil com o que recebem de remuneração nos trabalhos durante intercâmbio.

Um outro perfil de intercambiário nesta mesma faixa etária procura por intercâmbios curtos, normalmente um mês, que se realizava nas férias do trabalho ou nas férias escolares.

No entanto, de uns tempos para cá, alguns clientes quando procuram pelo intercâmbio, falam “meu intercâmbio pode ser em qualquer lugar, porque vou continuar trabalhando no meu emprego ou função atual, como se fosse home office, só que já que é home office, eu posso fazer de qualquer lugar do mundo”.

E isto abre um mundo de possibilidades.

Essa possibilidade trazida pelo modelo de trabalho remoto é a de trabalhar de qualquer lugar do mundo, diminuindo as fronteiras entre profissionais e empresas,  oferece uma série de benefícios para as empresas, mas os profissionais também saem ganhando com as inúmeras possibilidades que se abrem a partir disso, como conciliar um período de estudos no exterior com o home office, por exemplo. É fantástico porque você junta a profissão com projetos de vida.

E tem outras vantagens que passam por criatividade, inclusive: por estar no intercâmbio, se aprende a pensar de forma diferente sobre vários assuntos e descobrir várias maneiras de fazer a mesma coisa. E isso pode ajudar a resolver questões durante o seu trabalho.

Eu fiquei imaginando a situação: a pessoa escolhe qualquer destino para fazer intercâmbio e pelo tempo que quiser e continua trabalhando de lá.

E talvez tenhamos que repensar relação de trabalho e legislação sobre isso, uma vez que o seu empregador estará no seu país de origem, mas você trabalhará fisicamente em outro país.

A primeira coisa que declaramos na imigração, ao entrar em um país, é que seguiremos a constituição, as leis locais, hábitos e costumes. E aí, nem todo país permite que você trabalhe durante os estudos, mas o seu empregador não está lá, está no Brasil, por exemplo.

Então, como fica isso? E como se fiscaliza isso?

Antigamente, tínhamos o mesmo tipo de problema com documentos. E para esta parte de documentos, já existe orientação, existe uma apostila a ser seguida. A apostila é uma espécie de regras para tudo o que acontece no exterior que envolve documentação e isso vai desde boletim escolar, compra de imóveis no exterior, até contratos, processos e legalização de documentos.  A Apostila veio com o objetivo de agilizar e simplificar a legalização de documentos entre os países signatários, permitindo o reconhecimento mútuo de documentos brasileiros no exterior e de documentos estrangeiros no Brasil. 

Fiquei pensando que talvez, no futuro, precisaremos de algo parecido para o trabalho que pode ser realizado em qualquer país do mundo. Ou seja, alguma regra única para se trabalhar em qualquer lugar e de qualquer lugar.

O fato é que cada vez mais habilidades pessoais e profissionais serão exigidas neste novo modelo e nós já falamos no intercâmbio como um acelerador desse processo. Bem como, em paralelo, teremos que nos adaptar a novas maneiras de exercermos atividades profissionais. E acima de tudo, tem uma coisa bem velha, que está voltando a moda, voltamos a falar em relação de CONFIANÇA.

Texto: Perpétua Devite
Diretora da FYI Intercâmbio

Imagem: pixabay

 

Compartilhar com:
Avalie este artigo

redacao@agenciadifusao.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário