a
© 2020 Agência Difusão.
HomeMundoONU REVELA RELATÓRIO SOBRE A ETIÓPIA

ONU REVELA RELATÓRIO SOBRE A ETIÓPIA

Etiópia

ONU REVELA RELATÓRIO SOBRE A ETIÓPIA

Os combates ainda estão acontecendo em várias partes da região norte de Tigray, na Etiópia, e quase 2,3 milhões de pessoas, ou quase metade da população, precisam de ajuda, disse um relatório da ONU.

O relatório, a avaliação pública mais abrangente da situação humanitária em Tigray desde o início do conflito em 4 de novembro, foi postado online na noite de quinta-feira.

Segundo o relatório, os suprimentos de alimentos são muito limitados, os saques são generalizados e a insegurança continua alta.

As tropas do governo federal estão lutando contra a Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), um partido político que governava a província. O governo declarou vitória no final de novembro, embora a TPLF tenha prometido lutar.

A Força de Defesa Nacional da Etiópia disse na noite de quinta-feira que quatro membros seniores da TPLF foram mortos e nove presos.

A estatal Ethiopian Broadcasting Corporation disse na sexta-feira que Sebhat Nega, membro fundador da TPLF, também foi capturado. O TPLF não foi encontrado para comentar.

O paradeiro do líder do TPFL Debretsion Gebremichael, de outros membros do comitê central do partido e de muitos ex-militares de alto escalão permanece desconhecido.

As conclusões do relatório humanitário resultam de duas missões realizadas no final de dezembro pela ONU e agências governamentais. Eles disseram que a situação humanitária era terrível e que dois em cada quatro campos de refugiados em Tigray continuavam inacessíveis.

O relatório disse que os combates foram registrados em áreas rurais, bem como na periferia da capital regional Mekelle e nas cidades de Shire e Sheraro, entre outros locais.

COVID

As equipes de investigação também disseram que escolas, hospitais e escritórios administrativos foram saqueados e danificados. Eles disseram que apenas cinco dos 40 hospitais em Tigray eram fisicamente acessíveis, com outros quatro acessíveis por redes móveis.

Eles disseram que as unidades de saúde nas principais cidades que funcionavam parcialmente “estavam limitadas a nenhum estoque de suprimentos e ausência de profissionais de saúde”.

A interrupção também pode coincidir com um grande aumento nos casos COVID-19, disse o relatório.

“Teme-se que a interrupção das atividades de vigilância e controle do COVID-19 por mais de um mês na região, juntamente com deslocamentos em massa e condições de superlotação em locais de deslocamento, tenha facilitado a transmissão massiva da pandemia pela comunidade”, disse.

O relatório disse que obstáculos burocráticos regionais e locais estavam impedindo algumas agências de entrar no Tigray, apesar da autorização do governo federal. Também disse que suprimentos e equipamentos humanitários estão sendo saqueados em algumas áreas.

As estimativas da própria Etiópia de pessoas que precisam de ajuda são ainda maiores do que os números da ONU. A ONU disse que 950.000 precisam de ajuda antes do conflito e outros 1,3 milhão precisam agora de ajuda.

No entanto, o relatório disse que o Centro de Coordenação de Emergências Tigray, administrado pelo governo, estimou que mais de 4,5 milhões de pessoas precisavam de assistência alimentar emergencial, incluindo 2,2 milhões de pessoas que foram forçadas a fugir de suas casas em Tigray.

A Reuters não conseguiu chegar imediatamente ao centro para comentar o assunto e outros funcionários do governo não estavam disponíveis.

Reportagem de Giulia Paravicini; Edição de David Clarke
Imagem: REUTERS / Mohamed Nureldin Abdallah / Arquivo de foto

Compartilhar com:
Avalie este artigo
Categorias

redacao@agenciadifusao.com.br

Sem comentários

Deixe um comentário